Capas

Durante parte da minha infância convivi com os vinis. Os CDs só se popularizam mesmo quando eu tinha meus 7 ou 8 anos de idade. Os dois únicos vinis que tenho hoje também são os únicos que já tive na vida: um de versões brasileiras da trilha de Black Kamen Rider e um de versões brasileiras da trilha de Flashman. E, provavelmente, estão riscados. Me lembro que, numa tentativa de agradar minha mãe, resolvi limpá-los esfregando bombril nos dois lados.

Pela quantidade de vinis que tenho, dá pra perceber que não sou nenhum fanático. Mas os considero muito legais. São muito mais bonitos que qualquer outra mídia, principalmente pelo tamanho. Parecem até quadros. Acho que justamente por isso tem tanta capa boa. Pra essa postagem, selecionei, quase aleatoriamente, algumas capas inspiradoras.

1. Começando pela capa de “Milestones”, de Miles Davis. Histórico. Um dos meus álbuns de jazz preferidos. A capa representa perfeitamente a mudança do antigo estilo de Miles para o “Ivy Look”, o visual típico dos estudantes da Ivy League – que acabou influenciando vários outros músicos de jazz. Foi lançado no final de 1958, coincidindo com o período de surgimento dos Mods, jovens ingleses fãs de jazz, que posteriormente foram também influenciados pelo Ivy League style. Após o lançamento, todos esses jovens ingleses compraram camisas verde button-down, como a do Miles.

2. “Action!”, de Desmond Dekker & The Aces, de 1968. Ao contrário da grande maioria dos artistas jamaicanos da época, Desmond não aparece usando um terno na capa do disco. Embora ainda influenciado pelas roupas que os artistas norte-americanos da soul music usavam no palco, Desmond mostra uma das características mais interessantes do estilo dos jovens jamaicanos da década de 1960: calças trouser mais curtas que o comum, meias brancas e sapatos loafer.

3. Bobby Hutcherson e o rumo que a estética musical e visual do jazz tomou na década de 1970. O vibrafonista tá parecendo até o Curtis Mayfield. “Head On”, 1971.

4. Uma das minhas capas preferidas, representa perfeitamente o estilo adotado pelos astros do reggae a partir da década de 1970. “Red”, do Black Uhuru, de 1981.
5. Little Stevie Wonder. Me parece uma compilação lançado em algum outro país que não os EUA, mas a foto usada é a mesma da capa do disco “Tribute To Uncle Ray”, de 1962. Obviamente, um tributo ao Ray Charles.

6. “Dance Hall Stylee”, 1981, Al Campbell. Qualidade péssima da foto, mas dá pra ver que o desenho é sensacional.

7. The Ornette Coleman Quartet. “This is our music”, 1961. Badass quartet.

8. Aswad, banda de reggae formada na Inglaterra. Capa do “Live and Direct”, de 1984. Ícones do estilo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s